terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Rock in Rio \,,/_

É galera, esse ano (como é bom falar isso) o maior evento de Rock do mundo vai voltar pro Brasil, depois de 10 longos anos de espera. Mas antes irei postar sobre a história do evento, para num futuro próximo eu postar um sobre o Rock in Rio 2011.


História do evento no Brasil:


Dia 11 de janeiro de 1985 começava o primeiro Rock in Rio, realizado em Jacarepaguá, em uma área de 250 mil metros quadrados, construída especialmente para isso. Compareceram ao festival incríveis 1.380.000 pessoas, em 10 dias de evento.
Das bandas que foram, podemos destacar: AC-DC, Ozzy Osbourne, Scorpions, Rita Lee, Barão Vermelho e, é claro, a banda que fez o mundo inteiro chorar de emoção:


CURIOSIDADES:

Foram consumidos
- 1.600.000 Litros de bebidas em 4 milhões de copos;
- 900.000 Sanduíches;
- 7.500 Quilos de massa;
- 500.000 Fatias de pizza;
- 800 Quilos de gel para cabelo;
- O Mc Donald's vendeu num só dia 58 mil hambúrgueres e entrou para o Guiness Book of Records. Este ainda é o seu recorde de vendas até hoje;
- Foram vendidas 1.900.000 T-shirts do evento em todo o país.





Seis anos após a primeira edição, o Rock in Rio II chegou, mas agora ao Maracanã, reduzindo o número de dias (apenas 9) e também de público (700.000 pessoas). O que mais impressionava era o tamanho do palco: 85m de frente e 25m de profundidade, com 2 telões gigantes, tudo isso sendo iluminado por, pasmem, 500 faróis de avião. Isso mesmo, era MUUUUUITA luz!
Das bandas que compareceram, podemos destacar: Santana, Engenheiros do Hawaii e outras, ficando com um gostinho de quero mais na boca da galera, já que a Line Up do primeiro festival foi melhor ao meu ver. Guns N' Roses fez a noite da galera, já que estavam estourando na época:

Como o próprio Axl falou: OH MY GOD!!!

Curiosidades:

- O Rock in Rio II Transmitido ao vivo para 55 países tendo um total de 580 milhões de telespectadores;
- Gerou R$168 milhões (mais de 40 milhões de euros), na imprensa brasileira e internacional entre Junho de 2000 e Janeiro de 2001.






O Rock in Rio só foi voltar para a vida dos seres humanos entre os dias 12 e 21 de janeiro de 2001, em uma nova Cidade do Rock, construída em cima da que já existia em Jacarepaguá, com capacidade para 250 mil pessoas por dia. Apesar do nome incluir a palavra Rock, Britney Spears e N'Sync compareceram no evento, mas isso não tirou a alegria dos rockeiros, já que Iron Maiden, Guns n' Roses, Foo Fighters, REM, Red Hot Chilli Peppers e muitas outras bandas os satisfizeram.
As 19:00 do dia 12 de Janeiro, 3232 emissoras de rádio e 425 de TV fizeram 3 minutos de silêncio, para "promover" o "slogan" do evento: Por um mundo melhor.

Cássia Eller fazendo Cover da música "Smells Like Teen Spirit" do Nirvana

Curiosidades:
Foram consumidos
- Cerveja: 600.000 litros;
- Sanduíches: 630.000 unidades;
- Refrigerantes: 435.000 litros;
- Lasanha: 20.000 por dia;
- Garrafas de água: 130.000 por dia;
- Copos de suco: 40.000 por dia;
- Bebidas Energéticas: 15.000 latas por dia;
- A Coca-Cola (refrigerante oficial do Rock in Rio Por Um Mundo Melhor), registrou um aumento de 15% em suas vendas;
- A América Online tinha cerca de 65.000 assinantes no Brasil. Em fevereiro de 2001, depois do Rock in Rio, contabilizava mais de 400.000 assinantes.

*Meu próximo post será sobre o Rock in Rio 2011, aguardem!

ROCK N' ROLL FOR LIFE!

Aos amigos Rockeiros de plantão que foram/irão para o RiR!

Ao som de: Story of my Life - Queen

Sigam-me os bons @Guutocesar

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Tron - O Legado



Ficha Técnica


Título: Tron - O Legado (Tron - Legacy em inglês)
Lançamento: 2010
Duração: 127min
Tem 3D? Sim


Tron - O Legado continua a história do filme de mesmo nome criado há 28 anos atrás (Tron - Uma Odisséia Eletrônica, ou simplesmente TRON), que não fez tanto sucesso devido aos grandes lançamentos da época (vide E.T.) porém já é considerado um filme "cult".

Antes de começar a falar sobre esse filme vou tentar explicar um pouco sobre o anterior sem dar muito spoiler, ok?

O primeiro filme se passa na mesma época em que foi filmado (1982), temos como personagens principais: Kevin Flynn (genio dos computadores e ex-empregado da empresa ENCOM), C.L.U. (programa criado por Kevin Flynn), Tron (programa criado por Alan Bradley), MCP (programa de controle mestre traduzindo literalmente, que comanda todo o sistema dentro dos computadores).

Certa vez Kevin estava tentando hackear o sistema da ENCOM tentando encontrar uma evidencia de que o presidente da empresa estava "aprontando algo", para isso usa seu programa C.L.U. que no fim acaba sendo "preso" pelo MCP por ordem do seu "usuário" (o presidente) e sem querer acaba prendendo junto dele o programa Tron, que seria usado para tornar seguro a comunicação entre o mundo virtual e o real.

O personagem Tron no filme de 1982

Querendo uma resposta, Alan vai até seu superior exigindo uma explicação para o ocorrido, porém sem sucesso, é pedido para "ser paciente".

Após isso, Alan e sua colega de trabalho Lora fazem uma visita a loja de fliperama do Flynn, tentando avisá-lo de que o presidente já tem conhecimento sobre seu plano de hackear o sistema, então Kevin os convence de que precisaria de algo mais "potente" para fazer isso funcionar e acaba indo parar dentro do prédio da ENCOM, na estação de trabalho de Lora no laboratório de lasers, onde estavam fazendo um experimento para desmaterializar objetos e inserí-lo no mundo virtual, e é aí que tudo começa...


Agora vamos ao que nos interessa, que é o novo filme, sim? =)

Tron - O Legado se passa algumas décadas depois do primeiro, mais precisamente nos dias de hoje (2010/2011). Kevin Flynn misteriosamente desaparece em 1989 após um breve papo com o filho, Sam Flynn (personagem principal do filme), no qual explicou sobre o que havia criado dentro do mundo virtual, um lugar chamado "A Grade" ("The Grid").

Durante 20 anos, Sam é "assombrado" pela ausência do pai, enquanto todos dizem para desistir de esperar, que Kevin já havia morrido, o filho não perde a esperança e se manteve firme até certo ponto, quando aceitou seu desaparecimento.

A cena passa para o Sam já adulto, indo de moto até o prédio da ENCOM aonde pretende fazer uma "surpresa" para aqueles no local onde o pai trabalhou. Em seguida recebe um aviso de Alan (aquele lá de trás, criador do Tron) pedindo-o para visitar a loja de fliperama, pois havia algo estranho, já que recebeu uma mensagem através de um Pager (ou "Bipe").

Sam Flynn como visto no filme

De início Sam acha que é bobagem, mas não custa dar uma olhada. Chegando no lugar, aparentemente não há nada anormal, mas quando se aproxima de uma máquina para jogar percebe que há algo estranho (além do fato dela estar quebrada), atrás dela existia uma porta que ele não conhecia até então.

Era a porta para o escritório secreto do pai. O que Alan quis dizer com "ter algo estranho" é que a mensagem veio justamente daquele computador ali embaixo, mas como ele poderia funcionar sozinho? Sam se aproxima do aparelho e começa a procurar pistas, mas só acha um comando que faz ativar um laser (!), lá vamos nós denovo...


Galera primeiramente, sei que os textos sobre filmes são feitos pelo amigo Matheus Sadao, mas eu queria tanto fazer um post sobre esse filme que ele deixou para mim (apesar dele ter ido assistir também), espero que gostem.

Em segundo lugar, juro que tentei o máximo não colocar nenhum spoiler no texto sobre os filmes mas é muito difícil contar sem estragar, por isso irei deixar para voces verem por si mesmos no trailer a seguir:




Vamos aos comentários:

-Em relação ao filme, é simplesmente FANTÁSTICO! Muito bom mesmo, ainda mais pra aqueles que como eu estavam esperando esse filme por um bom tempo, não me decepcionei em nenhum minuto, valeu a pena o ingresso.

-O que falar dos efeitos especiais? Um show a parte, junto com a fotografia e a trilha sonora (que diga-se de passagem é excelente, um ótimo trabalho da dupla Daft Punk, que até fizeram uma aparição rápida no filme) formam um grande e espetacular conjunto.

-Gostei bastante da atuação dos atores, só a Olivia Wilde (mais conhecida pelo papel de "13" do seriado House) que apesar de ser um personagem importante no filme deixou um pouco a desejar, esperava mais dela.

A bela Olivia Wilde como Quorra no filme

-Jeff Bridges (Kevin Flynn), esse cara é bom. O que fizeram com ele é inacreditável! [SPOILER]Kevin ficou preso no mundo virtual junto com seu programa C.L.U., porém o C.L.U. não envelheceu nada (óbvio né), mas assim dizendo, o que fizeram com o Jeff (na forma de C.L.U.), o trabalho de rejuvenescimento foi sensacional! Enquanto o Kevin foi deixado como está, com barba e cabelos brancos para dar uma aparencia de que o tempo passou tanto no mundo real como virtual.[/SPOILER]


-As cenas da corrida de motos de luz não dá para descrever, voces precisam ver, recomendo assistir, nem que seja "normal" (eu vi em 3D e não teve muita diferença, mas o que teve em 3D me "espantou" um pouco xD)

-Uma coisa que muitos devem se perguntar: "Preciso assistir o primeiro para entender?" Bem, pra mim fica difícil falar pois vi os dois, ontem mesmo terminei de ver o primeiro e já engatei esse pra ver no cinema, mas eu creio que não, já que no começo do filme como disse lá em cima, aquele "flashback" é praticamente um resumo do que acontece lá atrás. Mas seria legal assistir para entender algumas "sacadas" que tem durante o filme =D

O que posso dizer desse filme? Possivelmente o 2º melhor que vi no ano, pode ser que esteja falando demais, talvez porque era um que estava esperando há bastante tempo, enfim.

Fico por aqui, e deixo para voces comentarem abaixo o que acharam do texto, se ficou bom ou ruim, etc.

Ao som de: Tron Legacy OST - Daft Punk


Para os amigos (que já estou com saudades): Sadao, Guto, Fred, Bia, Helena e para os que acompanham nosso blog!

domingo, 12 de dezembro de 2010

The Walking Dead – MIRE NA CABEÇA!


Baseada nos quadrinhos de Robert Kirkman, The Walking Dead é um novo seriado de televisão, mas com uma temática um pouco diferente do convencional: zumbis.

A trama começa resumidamente durante um tiroteio, ao vermos o policial Rick Grimes sendo baleado e entrando em coma. Quando o protagonista acorda, descobre um mundo vazio e infestado de mortos-vivos, onde precisa reencontrar a sua família e procurar novos meios de sobrevivência.

Posso afirmar que sou fã de histórias que contem zumbis, por adorar a saga de games Resident Evil e o filme Madrugada dos Mortos, e que não tinha muita fé com este seriado (apesar de não conhecer as HQs), mas acabei sendo surpreendido.

Esperava uma série repleta de tiros em criaturas mal feitas, pessoas correndo de um lado para o outro, e que não nos passaria mensagem alguma, mas o que vi foi uma maquiagem perfeita e alguns diálogos lindos de esperança e valores humanos (geralmente proporcionados pelos personagens secundários). Entretanto, o que mais me chamou a atenção foi à sensação de desespero que as imagens conseguem transmitir diante de um mundo “pós apocalíptico”, trazendo uma forte ideia de que aquilo tudo é real, e nos obriga a pensar nas nossas próprias reações em um ambiente como este, onde pessoas cometem até suicídio com medo de se tornar uma aberração.
Um dos pontos positivos, foi que o canal FOX, trouxe a serie para o Brasil dois dias após a sua estréia nos EUA, contudo, o episódio piloto foi "mutilado" e provocou a revolta de muitos telespectadores. Outra crítica em relação a FOX, é que no primeiro episódio o canal “chamou” o intervalo e fez o público ficar na espera de mais conteúdo, mas a única coisa apresentada foram os créditos finais.

A primeira temporada terminou esta semana no 6° capitulo e deixou bons mistérios no ar, porem a segunda já foi confirmada (13 episódios) e já tem data de estréia prevista para outubro de 2011. As expectativas são altas e a espera vai ser longa, mas The Walking Dead veio para saciar a carência que Lost me deixou e renovar o gênero que estava em baixa.


Gostaria de levantar uma pergunta: Como vocês acham que seriam as suas reações diante deste mundo devastado? Perderia a esperança na sobrevivência? Perderia suas crenças religiosas? Deixem as suas opiniões no espaço para comentários.

LIVE LONG AND PROSPER!

Para a @carolshit, e em especial aos meus eternos amigos: Shino, Amon, Fred, Dal'bo, Mel (RAAAAAAWR) e Bia.

Ao som de: Zumbis Do Espaço - Cemitério maldito

Sigam Minhas Mãos!: @MrSadao

sábado, 27 de novembro de 2010

Desculpe-nos pelo transtorno!

Pedimos desculpas a todos que acompanhavam O Notório e ficaram mais de um mês sem posts! Estávamos todos em época de vestibular, então resolvemos parar um pouco para terminar de estudar.



A partir dessa semana tudo volta ao normal!! Fiquem ligados para mais Posts interessantes.

Equipe: O Notório

domingo, 17 de outubro de 2010

Viver não dói


(Carlos Drummond de Andrade)

Definitivo, como tudo o que é simples.
Nossa dor não advém das coisas vividas,
mas das coisas que foram sonhadas
e não se cumpriram.

Por que sofremos tanto por amor?

O certo seria a gente não sofrer,
apenas agradecer por termos conhecido
uma pessoa tão bacana,
que gerou em nós um sentimento intenso
e que nos fez companhia por um tempo razoável,
um tempo feliz.

Sofremos por quê?

Porque automaticamente esquecemos
o que foi desfrutado e passamos a sofrer
pelas nossas projeções irrealizadas,
por todas as cidades que gostaríamos
de ter conhecido ao lado do nosso amor
e não conhecemos,
por todos os filhos que
gostaríamos de ter tido junto e não tivemos,
por todos os shows e livros e silêncios
que gostaríamos de ter compartilhado,
e não compartilhamos.
Por todos os beijos cancelados,
pela eternidade.

Sofremos não porque
nosso trabalho é desgastante e paga pouco,
mas por todas as horas livres
que deixamos de ter para ir ao cinema,
para conversar com um amigo,
para nadar, para namorar.

Sofremos não porque nossa mãe
é impaciente conosco,
mas por todos os momentos em que
poderíamos estar confidenciando a ela
nossas mais profundas angústias
se ela estivesse interessada
em nos compreender.

Sofremos não porque nosso time perdeu,
mas pela euforia sufocada.

Sofremos não porque envelhecemos,

mas porque o futuro está sendo
confiscado de nós,
impedindo assim que mil aventuras
nos aconteçam,
todas aquelas com as quais sonhamos e
nunca chegamos a experimentar.

Como aliviar a dor do que não foi vivido?

A resposta é simples como um verso:
Se iludindo menos e vivendo mais.

A cada dia que vivo,
mais me convenço de que o
desperdício da vida
está no amor que não damos,
nas forças que não usamos,
na prudência egoísta que nada arrisca,
e que, esquivando-se do sofrimento,
perdemos também a felicidade.

A dor é inevitável.

O sofrimento é opcional.


Ao meu amigo que deu unfollow...